domingo, 22 de maio de 2011

Estudo de nu


Essa linha que nasce nos teus ombros,
Que se prolonga em braço, depois mão,
Esses círculos tangentes, geminados,
Cujo centro em cones se resolve,
Agudamente erguidos para os lábios
Que dos teus se desprenderam, ansiosos.
 
Essas duas parábolas que te apertam.
No quebrar onduloso da cintura,
As calipígias ciclóides sobrepostas
Ao risco das colunas invertidas:
Tépidas coxas de linhas envolventes,
Contornada espiral que não se extingue.
 
Essa curva quase nada que desenha
No teu ventre um arco repousado,
Esse triângulo de treva cintilante,
Caminho e selo da porta do teu corpo,
Onde o estudo de nu que vou fazendo
Se transforma no quadro terminado.
 
José Saramago
(1922-2010)

2 comentários:

carol disse...

UHHH! Muito bem pintado! Naturalmente!
Este Saramago bem me saiu melhor que a encomenda...
Não lhe conhecia esta veia... erótica.

SilvaRocha disse...

Até que enfim!... Estava a ver que só eu alimentava esta coisa. Tardou mas esmerou! Bem esgalhado, Amigo Rui!